Postagens

Neuriciências e Miguel Nicolelis

Para os amantes da Psicologia integrada à tecnologia, o nome de Miguel Nicolelis precisa ser sempre mencionado. Segundo alguns comentárias, ele é o cientista de maior projeção internacional no campo das Neurociências atualmente, e seu nome tem sido cogitado ao Nobel. Ele investe grande parte de seu tempo e recursos no Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra - IINN-ELS . Um projeto audacioso com compromisso social. Esta semana o portal G1 publicou mais uma grande conquista dese brasileiro, leia: "O neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, que trabalha no Departamento de Neurobiologia da Universidade Duke, Carolina do Norte (EUA), foi um dos escolhidos para receber o Transformative R01 Award dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês). Com isso, terá direito a um financiamento para pesquisas de aproximadamente US$ 4 milhões (quase R$ 7 milhões) . Ele já havia recebido em julho o Pioneer Award,

Retratação Pública

Aqueles que me acompanham e sabem da minha trajetória biográfica entenderão que o texto abaixo publicado faz parte de um momento decisivo e definitivo da minha vida.  Preciso deixar claro que este meu posicionamento faz parte da minha visão de mundo e das crenças que julgo fundamentais para minha vida. Essa retratação pretende demonstrar que o sentimento que me toma é de VERGONHA e ARREPENDIMENTO. Não se trata de uma mera discussão teológica e nem de uma retaliação fundamentada em ódio, mas de um retorno a um lugar do qual eu nunca deveria ter me retirado. Para ler o texto clique: Retratação Pública Paz e misericórdia sejam conosco!!! Aender Borba

Retratação Pública - 4 anos depois

Por Aender Borba Passados alguns anos, muitas pessoas ainda me perguntam quais os motivos da minha saída da Congregação Judaico Messiânica Har Tzion em Belo Horizonte, ligada ao Ministério Ensinando de Sião, do qual fiz parte por 8 anos como parte da liderança local. Infelizmente, há aqueles que pensam que a saída foi motivada apenas por "rebeldia", como publicado recentemente no site dessa instituição; ou por algum tipo de ressentimento. À época, eu e mais alguns irmãos que tomamos a decisão de deixar aquele lugar, escrevemos uma carta pública de arrependimento por termos abandonado a fé cristã e nos enveredado neste movimento que tem causado feridas irreparáveis naqueles que vão até ali, como eu um dia, motivado por um tipo de cinismo contra a igreja evangélica; por falta de preparo teológico; por falta de clareza sobre o evangelho de Jesus e por excesso de soberba por pertencer "ao povo escolhido" - digo, o povo judeu e toda sua tradição.   Também, à

TDAH

É interessante perceber que ao longo dos anos algumas doenças marcaram momentos sócio-históricos baseando-se nos conceitos de "normalidade" e "anormalidade". Afinal de contas, o conceito de "saúde" e "enfermidade" derivam  diretamente desses debates e variam de acordo com o contexto social em cada época e cultura.  Na Grécia antiga, por exemplo, a "loucura" era tratada como uma manifestação dos deuses, inclusive os ataques epiléticos eram nomeados como "doenças divinas".  Na Idade Média, as pessoas consideradas "loucas" eram reconhecidas  como possuídas por espíritos malignos e muitas chegaram a ser queimadas em fogueiras nas praças públicas.  O que percebe-se, e é muito comum em nossos dias ainda, é que, enquanto algumas doenças não recebem nomes e/ou são catalogadas com reconhecimento médico internacional, elas são tratadas com total descaso pela comunidade médico-científica. Fica aqui minha primeira crít

Linguagem do corpo.

Imagem
Aender Borba Minha última visita à terra natal de meus pais (Tiros-MG), apesar de não ter sido por circunstâncias que gostaria, foi de grande proveito, pois tive a oportunidade de rever alguns primos e tios que há muito não os encontrava. Num desses encontros, passei algumas horas com minha prima Amanda, estudante de medicina da Faculdade Atenas (Paracatu-MG), como não poderia deixar de ser, falamos de saúde, saúde mental e um pouco sobre a vida... Dessa conversa surgiu um tema muito interessante que me arrebatou durante as duas últimas semanas. Amanda mencionou um livro que eu ainda não tinha lido completamente, mas muitos dos meus professores comentaram sobre ele durante algumas aulas, principalmente a de Entrevista Psicológica: "O Corpo Fala" (Pierre Weil e Roland Tompakow). Esse é um tema polêmico, intrigante e  também muito discutido nos meios acadêmicos,  talvez por este  motivo mereceu que o canal de televisão FOX, numa tentativa de mostrar uma faceta estritament

Algo sobre a morte...

                                                                                                     Por Aender Borba Esta semana minha família foi surpreendida com a notícia repentina do falecimento de uma pessoa muito querida para todos nós, minha avó paterna, Olímpia Bárbara de Borba. Aos seus 87 era uma mulher muito forte, lúcida, gostava de passear, de se divertir e de cuidar da aparência. Nasceu e se criou no interior de Minas Gerais e deixou um legado de 13 filhos (um deles faleceu ainda na infância), 20 netos e 13 bisnetos. Sem dúvida alguma uma vencedora!!! Durante o tempo que aguardávamos pelo sepultamento, não pude deixar de observar a reação das pessoas velando minha avó dentro de sua própria casa.  Todos, obviamente, contristados com a morte dela, pois apesar da extensa idade, era algo impensável isso que acontecesse a ela tão "repentinamente". Interessante como uma morte "não esperada" trouxe um certo conforto para todos. Digo "não esp

O que é preciso levar em conta para escolher um serviço de psicologia?

Imagem
Por Aender Borba Um grande problema com que as pessoas se deparam na hora de escolher um psicólogo (ou um serviço de psicologia) é saber a quem recorrer. Certamente, a melhor e mais confiável maneira de optar ainda é a "indicação". Quem não tem um conhecido que ficou satisfeito com os serviços de um psicólogo e acaba por indicar aquele profissional? Infelizmente, o contrario também ocorre, e até com mais frequência que a satisfação. O que pouca gente sabe é que não existe apenas uma Psicologia, na verdade são várias PSICOLOGIAS. Exatamente neste ponto, para o grande público, raramente se ouvirá um psicólogo dizer a qual abordagem teórica ele está vinculado e muito menos, que  tipo de postura clínica ele adotará no processo terapêutico. Afinal de contas todos são psicólogos, independente da psicologia que adotam como método de trabalho. - Permitam uma pequena ressalva, mas parece ser este um dos poucos momentos em que há consenso entre eles, quando omitem sua postura t